quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

Sobre o jogo.


Ele acordou de seu sonho. Tudo fora irreal, nada passou de mera ilusão.

Ele está confuso, na verdade sempre fora. De sua cabeça nada mais surge e tudo parece ser falso, irreal aos seus olhos.

Seus olhos enxergam a noite branda e singela. Ele escuta o vento ecoar e parece gostar da solidão. Está só, sempre estivera.

Defende-se ao atacar. É astuto em alguns casos e sabe jogar de acordo com as cartas que tem. Dificilmente perde a razão, são momentos raros que o tornam frágil e ele esconde bem essa fraqueza.

Pode ser um dos primeiros destes novos tempos, mas quem sabe não passa do último de uma safra já extinta. É altruísta e gosta de manipular. Tem em seu ego sua forte aliança. Usa de sua razão para refletir suas emoções. Não titubeia e raramente fica nervoso perante as situações desagradáveis.

Tem enorme prazer em virar o jogo e é assim que começa esta nova partida.

Matheus.

3 comentários:

  1. gostei do penúltimo parágrafo, oi

    ResponderExcluir
  2. "Tem enorme prazer em virar o jogo e é assim que começa esta nova partida".

    Ótima frase para um início de ano, mula! Adorei o texto...dessa vez não foi depressivo como nas últimas! BEijo

    ResponderExcluir
  3. PQ MULHERES N COMENTAM MEU BLOG?

    =(

    ResponderExcluir