quarta-feira, 30 de julho de 2008

Sobre valorizar os dias.


O dia começa bem e a suprema diversão do lado infantil vem à tona. As brincadeiras no parque de diversão são ainda engraçadas e até conseguem entreter quem não quer crescer.

A companhia agradável faz esquecer as fortes decepções que tive e que sinto até hoje.

Como podem perceber, não sofro de amor, porém não nego que o abatimento por hora é grande.

As convicções que tinha, foram mudadas e não lamento ter amadurecido. Sinto gosto em relembrar a infância e o tempo que eu não me preocupava em gostar de alguém.

A constante rotina fora substituída e me agrada o fato de não me achar mais previsível ao extremo. Os dias dormidos fora de casa serviram para me distrair e mostrar a simples felicidade em uma roda de amigos, felicidade esta que já conhecia, porém que fazia tempo não lembrar tão bem, como nos últimos dias.

Como vos sabem, eu gosto é de encher o saco e isso me agrada pelo simples motivo de ter meu mérito reconhecido a cada confusão causada.

Reitero isto aos amigos a cada encontro e faço prevalecer o instinto implicante compulsivo.

É Adolf, sinto estar voltando e que a inconstância não tome conta de mim.

Matheus.

Um comentário:

  1. "As brincadeiras no parque de diversão são ainda engraçadas e até conseguem entreter quem não quer crescer."

    É, eu fui no parque esse ano, com a mulher do meu chefe! aushdasiudhasiudhasiuhdaiushd

    ResponderExcluir