quinta-feira, 31 de julho de 2008

Sobre pensamentos da madrugada gélida.


O sono parece atrapalhar o que penso. Tenho dificuldade em relatar, a esta altura da madrugada, tudo o que quero. A hora é propicia para reflexões, porém não faço uso desta filosofia, não hoje.

Estou entregue a nostalgia do passar dos anos. Relembro tudo que fora passado em minha vida, fatos marcantes, ou não.

As férias sempre oportunas pelas bandas do Rio Grande enriquecem a minha memória.

Por hora sinto não estar totalmente desligado da minha antiga vida. É verdade que não quero esquecer o que fora bom, porém não posso viver na completa sombra de momentos passados.

A nostalgia me traz a mente pensamentos. Quem eu era a alguns anos atrás e quem serei daqui a alguns anos. São perguntas que vem a tona.

Por longo tempo me senti sem sentido nesta nova vida, não que hoje tenha, no entanto é mais que verdade que achei um hobby a seguir.

A escrita que mantém minha mente ocupada me faz refletir. Penso por horas no que deveria fazer, seja nas atitudes errôneas ou nas mudanças acarretadas por tais erros.

Não sinto errar quanto ao modo como trato as pessoas. Respeito suas privacidades, porém se a mim tu incomodar, podes ter certeza que o troco será dado.

Sigo a filosofia de que a internet é um dos males que veio para o bem. A forma, muitas vezes errada, como é usada é que acarreta tamanhos males.

A banalização dos verbos é clara em sites de relacionamento e conversas virtuais. O verbo amar, que tantas vezes fora dito com tanto custo, hoje é sinônimo de boa noite, ou de “como tu é legal”. Mas isso é assunto para outro texto.

Voltando ao assunto principal. Dificilmente irás me ver chamando alguém que não tenho intimidade por apelidos. Não consigo e sequer sinto-me a vontade para banalizar este que vos cito.

Se ficar na tua, sem alarde e querendo aparecer, é fato que sequer pronunciar-me-ei contra a tua pessoa, e não a julgarei antes da primeira conversa.

Por hora o manual de como me agradar na primeira vez é este. E é claro que existem as exceções, para os dois lados.

Adolf, eu acho que tu nunca agradaste a todos, mais que isso, tu causastes aversão. Gosto desta forma como tu foste, indiferente aos que não gostavam de ti.

Matheus.

Um comentário:

  1. "O sono parece atrapalhar o que penso. Tenho dificuldade em relatar, a esta altura da madrugada, tudo o que quero."

    curioso, mas tu só consegue escreveer na madrugada?

    ResponderExcluir